Trabalhadores da Ebserh de Minas Gerais aceitam proposta da empresa e põem fim à greve da categoria

Trabalhadores da Ebserh de Minas Gerais aceitam proposta da empresa e põem fim à greve da categoria

Os trabalhadores da Ebserh de Minas Gerais – lotados nas unidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Uberaba -, reunidos em assembleia, no dia 07/06, deliberaram por aceitar a proposta da empresa e por fim à greve da categoria iniciada no dia 05/06.

Os trabalhadores não aceitaram o descaso da empresa que insistia em vincular as negociações dos ACTs 2017/2018 e 2018/2019 e decidiram paralisar as atividades.

Um dia antes do início da greve, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) chamou a Condsef/Fenadsef, apresentando uma proposta de mediação para evitar a greve. No entanto, numa atitude autoritária, o TST ameaçou retirar da pauta o processo de dissídio do ACT 2017/2018 e aplicar multa diária à Confederação caso os trabalhadores insistissem em deflagrar a greve.

Os trabalhadores não se curvaram ao autoritarismo do TST e entraram em greve no dia 05 de junho, conforme deliberação da plenária nacional da categoria. Nesse mesmo dia, a empresa chamou a Condsef/Fenadsef e apresentou uma nova proposta que, novamente foi rejeitada pelos trabalhadores. Enquanto isso, a adesão à greve crescia em todo o país.

A empresa, inclusive, chegou a entrar com uma liminar para tentar acabar com o movimento paredista, mas os trabalhadores se mantiveram firmes e não cederam à arbitrariedade da Ebserh.

Percebendo a disposição da categoria em lutar por seus direitos, a Ebserh, novamente chamou a representação dos trabalhadores numa tentativa de por fim ao impasse instalado.

A forte mobilização da categoria foi determinante para o fechamento do acordo. Em apenas dois dias de paralisação nacional, a categoria foi capaz de mobilizar o Tribunal Superior do Trabalho, o ministro da Educação e, principalmente, pressionar a empresa a apresentar uma proposta razoável - o que não havia apresentado em seis meses de negociação.

A proposta que foi aceita pelos trabalhadores não pode ser considerada ideal, mas foi satisfatória dentro de uma conjuntura em várias categorias de não tiveram nenhum tipo de reajuste.

A proposta

A proposta apresentada pela Ebserh e aceita pelos trabalhadores garante entre outros pontos:

  • ACT 2017/2018: reajuste de 100% do IPCA do período (4,76%) e pagamento de 70% do retroativo (sobre salário e benefícios), parcelado em duas vezes (1ª parcela lançamento na folha de julho 2018 – crédito do financeiro em agosto 2018) e 2ª parcela – lançamento na folha de dezembro 2018 – crédito do financeiro janeiro – 2019);
  • ACT 2018/2019: reajuste de 70% do IPCA do período (1,99%) e pagamento de 100% do retroativo (sobre salários e benefícios) do período compreendido entre 01/03/18 e 31/07/18 com pagamento na folha de agosto de 2018 - crédito do financeiro em setembro 2018);
  • Abono dos dias de paralisação.
  • Nas cláusulas sociais a empresa garante todas as cláusulas negociadas pela comissão nacional de negociação de ACT de 2018 incluindo dois dias de abono anual com critérios a serem elaborados em mesa nacional de negociação, a criação de uma comissão nacional para acompanhar denúncias de assédio moral e cláusula de intervalo com 30 minutos de almoço para a área administrativa da empresa.